A Cooperativa de Transporte Alternativo de Ilhéus tem um trunfo pra brecar as fiscalizações contra as lotações que têm apreendido veículos na cidade.

Uma lei de 2000, de número 2829, assinada pelo então prefeito Jabes Ribeiro, estabelece o serviço de lotação no município. Pontos da lei ainda precisam ser regulamentados, no entanto, o sistema está há 17 anos liberado.

De acordo com a lei, que você pode acessar aqui, o número de carros atuando como lotação não deve ser menor que 15% da quantidade de táxis convencionais. Hoje, existem cerca de 400 taxistas rodando em Ilhéus.

E continua, ao exigir veículos em boas condições, identificados e vistoriados periodicamente. O condutor precisa ter habilitação profissional, passar por cursos de atualização e seguir roteiros e horários pré-determinados.

Com a lei debaixo do braço, as associações agora pretender barrar as fiscalizações que já apreenderam três veículos desde sexta-feira (23). Alem de forçar o prefeito Mário Alexandre a regulamentar pontos da matéria, como os horários, roteiros e as vistorias nos veículos.

A lei promete colocar mais lenha na discussão entre alternativos, taxistas  e empresas de transporte coletivo e vai exigir jogo de cintura do prefeito Marão. Leia mais no Ilhéus em Resumo